16/ junho/ 2011

Você é contra ou a favor à aplicação de multas para quem fala palavrões em lugares públicos, como condomínios, por exemplo? Entre na nossa enquete:

Mais Você desta quinta-feira, 16 de junho, falou sobre um assunto que está causando polêmica nas grandes cidades brasileiras. Alguns condomínios têm adotado uma medida radical para combater os palavrões falados pelos moradores: a aplicação de multas. 

Em reportagem, Fabrício Battaglini mostrou que, durante o futebol no condomínio, um grupo de meninos não falou nenhum palavrão. Em seguida, ele perguntou para as crianças qual delas é a mais “boca suja”. Muitos se denunciaram. O repórter contou que a presença da equipe do Mais Você inibiu as crianças, que não soltaram nenhum palavrão durante o jogo. 

Muitos administradores de condomínio, em São Paulo, acreditam que é necessário a aplicação de multas para quem fala palavrão. Fabrício mostrou uma administradora de condomínios que cuida de 149 prédios na capital. Oitenta deles já aprovaram a multa e, só no ano passado, distribuíram 299 penalidades. Agora, uma explicação importante: não é em todo lugar que falar palavrão dá multa. 

Silvia Carreira, administradora de condomínio, explicou como é a penalidade: “Essa multa a gente pode aplicar a partir do momento que ele está numa área comum do prédio. Se ele estiver na portaria, no hall social, no elevador. Qualquer área que outras pessoas frequentam, ele tem que respeitar e acatar a regra. Dentro da casa dele, infelizmente, ou felizmente, pelo menos dentro da casa dele, ele pode falar o palavrão”. 

No Rio de Janeiro, uma quadra que fica ao lado de um complexo de condomínios, também aplica penalidades aos adeptos dos palavrões. 

“Se você se sentiu ofendido por algum comportamento de vizinho, existe no próprio código civil um artigo que determina multa ao condômino que causar alguma incompatibilidade entre os moradores. O Código Civil determina que a multa de um décimo do condomínio seja aprovada em assembleia. Caso o condomínio não tome providências, você individualmente poderá entrar com ação no juizado especial civil, amparado pelo Código Civil, pelo artigo que cuida do direito de vizinhança – (Artigo 1.277)”, orientou a apresentadora Ana Maria Braga.