Jornal do sindico –  junho/2012

Hoje uma das maiores preocupações dos condôminos é sem duvida o valor da taxa de condomínio, que deixou de ser apenas um item nas despesas mensais e passou a disputar a linha de frente com alimentação, escola e outros itens básicos. Entre os grandes vilões do condomínio estão os salários e encargos, serviços públicos com destaque especial para as contas d’água e despesas como conservação de elevadores e áreas comuns.

Em um bate papo com Silvia Carreira, diretora executiva de uma importante administradora de condomínios de São Paulo, vamos descobrir alguns passos para uma administração voltada para a redução de custos no condomínio.

Silvia, hoje há uma solução de despesas sem que isso afete no conforto e bem-estar dos condôminos?

-Sim. O mais importante no processo de redução de custos é fazer um bom planejamento, traçar metas de redução adequadas, bem como trabalhar com transparência, honestidade, em equipe e com competência.

Qual o papel da administradora, do síndico e dos condôminos no processo de redução de custos? – A administração deve traçar junto ao síndico e ao conselho as metas de redução de custos, o trabalho é realizado em equipe, tanto a administradora quanto o síndico têm papel de racionalizar e cortar despesas, nunca esquecendo da qualidade e ao mesmo tempo o papel de conscientizar os atentos ao que acontece, em nossa experiência, as coisas funcionam melhor se todos estiveram dispostos a trabalhar para o bem comum.