Administradora de condomínio em são paulo
Esqueci Minha Senha
Cadastre-Se
 

Sr Morador

Realize seu cadastro junto ao nosso site e receba em seu e-mail sua senha de acesso.


Associado a:




Economia de Energia

 

 

                                                                                               

 

    

Boa parte das despesas de um condomínio decorrem do consumo de energia em setores e equipamentos comuns a todos os moradores de edifícios de apartamentos.

Depois de ler atentamente nossas sugestões, percorra todas as instalações do prédio, anotando tudo que pode ser melhorado. A adoção de medidas de conservação de energia contribuirá de maneira eficaz para a redução do consumo e, conseqüentemente, das despesas.
Lembre de que conservar energia não significa privar-se do conforto e dos benefícios que ela proporciona. Conservar energia, dentro de uma visão mais ampla, implica a transformação da sociedade dita do desperdício em uma sociedade mais racional na utilização dos recursos globais, especialmente os insumos energéticos.

Comece pelos itens que podem ser melhorados imediatamente e analise em seguida os que requerem mais informações avaliando as vantagens na redução da conta de energia elétrica em comparação com os investimentos necessários.


Equipamentos de Uso Comum: Na maioria dos casos, os equipamentos que mais contribuem para o consumo de energia em um condomínio são os seguintes:

Iluminação, Elevadores e Bombeamento d'água: Independentemente, do porte e das características do condomínio, haverá sempre a necessidade de iluminação em áreas comuns, tais como garagens, corredores, hall social, jardins etc.


ILUMINAÇÃO

·         Utilize sempre que possível a iluminação natural suficiente abrindo janelas, cortinas e persianas em ambientes como o hall social, a sala de visitas, o salão de festas, o salão de jogos, etc.

·         Instrua os empregados a desligarem as lâmpadas de dependências desocupadas, exceto aquelas que contribuem para a segurança.

·         Limpe regularmente paredes, janelas, pisos, e forros. Uma superfície limpa reflete melhor a luz, o que permite manter menos intensa a iluminação artificial.

·         Limpe regularmente as luminárias, lâmpadas e demais aparelhos de iluminação. A sujeira acumulada reduz a iluminação.

·         Substitua se possível, os difusores transparentes amarelados ou opacos por difusores de acrílico claro, com boas propriedades contra amarelamento, pois eles permitirão melhor distribuição de luz.

·         Substitua luminárias antiquadas ou quebradas por luminárias mais eficientes, de fácil limpeza e, de preferência, com lâmpadas expostas, que deste modo poderão ser de menor potência.

·         Quando o fator estético não tiver importância retire o acrílico e o globo, que absorvem grande parte do fluxo luminoso. Você poderá assim utilizar lâmpadas de menor potência.

·         Não use lâmpadas incandescentes de bulbo fosco dentro de globos. É preferível utilizar lâmpadas com bulbo transparente. As lâmpadas de bulbo fosco foram criadas para minimizar o efeito ofuscante e apresentarem uma luz confortável, suave e difusa, mas também absorvem uma parte da luz emitida pelo filamento.

·         Como o globo elimina o ofuscamento, o uso de lâmpadas de bulbo fosco acarretará menor iluminação e poderá exigir lâmpadas de maior potência.

·         No hall social, na entrada e na marquise do seu prédio, a instalação de lâmpadas incandescente embutidas no teto é uma péssima solução do ponto de vista da utilização de energia. A eficiência do conjunto torna-se muito reduzida, o aquecimento é excessivo e a vida útil da lâmpada também se reduz, por falta de ventilação adequada. Sugerimos rebaixar a lâmpada e reduzir sua potência, ou usar lâmpadas refletoras de menor potência. As lâmpadas de 100 Watts podem ser substituídas por lâmpadas de 60 Watts ou 40Watts, o que proporcionará uma redução de 40% a 60% no consumo de energia elétrica nesses locais. Outra opção seria as lâmpadas fluorescentes compactas

·         Nos corredores, no hall social e nas escadas, verifique a possibilidade de substituir as lâmpadas incandescentes também por lâmpadas fluorescentes compactas.

·         Refaça se possível, a instalação dos circuitos de interruptores, para permitir o desligamento parcial de lâmpadas em desuso ou desnecessárias.

·         Em locais onde houver muitas lâmpadas acesas, verifique a possibilidade do desligamento alternado.

·         Se há na garagem luminárias com lâmpadas fluorescentes comandadas em grupo, estude a possibilidade de instalar interruptores individuais comuns ou do tipo pêra (pendente); eles permitirão o desligamento parcial de determinadas lâmpadas, evitando-se a iluminação plena todo o tempo.

·         Nas garagens, procure iluminar somente as áreas de circulação de veículos, e não diretamente os boxes.

·         Ao desativar uma ou mais lâmpadas fluorescentes, não esqueça de desligar também o reator, caso contrário, ele continuará consumindo energia elétrica, reduzindo-se a sua vida útil.

·         Rebaixe as luminárias instaladas entre as vigas do teto da garagem. Com isso, aumentará a intensidade da iluminação, podendo inclusive reduzir o número de lâmpadas.

·         Onde for possível, use uma única lâmpada de maior potência no lugar de várias lâmpadas de menor potência.

·         Tratando-se de lâmpadas de um mesmo tipo, as de maior potência são em geral mais eficientes que as de potência menor.

·         Ao fazer reforma no prédio, evite pintar com cores escuras as paredes dos halls dos elevadores, escadas e corredores, pois elas exigirão lâmpadas mais fortes, com maior consumo de energia elétrica.

·         Em áreas externas (jardins, estacionamentos, áreas de lazer, e etc.) estude a possibilidade de substituir as lâmpadas existentes por lâmpadas a vapor de sódio a alta pressão (VSAP), que fornecem mais luz com menor consumo de energia elétrica.

·         Analise também a possibilidade de instalar fotocélulas ou temporizadores para controle de iluminação.

·         Utilize somente lâmpadas de tensão compatível com a tensão da rede da concessionária.

·         Em caso de dúvida consulte sempre a concessionária.

·         Se o seu prédio não tem interruptores temporizados, para as lâmpadas dos corredores e garagens, você pode instalar um dispositivo chamado MINUTERIA, que permite manter acesas temporariamente as lâmpadas desses locais; desta maneira, utiliza-se a iluminação de forma racional e reduz-se gradualmente o consumo de energia elétrica.

·         Existem no mercado dois tipos de minuteria: a eletrônica e a eletromecânica. Cada uma delas pode ser instalada no sistema coletivo (várias lâmpadas) ou no individual (uma ou poucas lâmpadas).


ELEVADORES

·         Para economizar energia elétrica, evitando acionamento desnecessário dos elevadores e maior desgaste dos equipamentos, deve-se observar as seguintes recomendações:

·         Havendo dois elevadores no mesmo hall (um social e um de serviço), deve-se chamar apenas um. Verifique a possibilidade de fazê-los atender a grupos diferentes de andares (pares e ímpares).

·         As crianças devem ser orientadas a não apertar todos os botões do painel e não fazer do elevador objeto de recreação.

·         Não sobrecarregar o elevador, respeitando o número máximo de passageiros indicado na cabine. Além de ser transportado com segurança, você evitará danos ou queima do motor.

·         Para subir um andar ou descer dois, procure utilizar as escadas. Um pouco de exercício é saudável e não faz mal a ninguém.

·         Estude a possibilidade de instalar um sistema de acionamento mais eficiente para os elevadores. Consulte o fabricante.

·         Estude a possibilidade de desligar diariamente, de maneira alternada, um dos elevadores, no horário de menor movimento e utilização (por exemplo, das 22h00 às 6h00 e nos domingos e feriados).

·         Será importante obter a cooperação dos condôminos, esclarecendo-os quanto aos objetivos e benefícios a serem alcançados.


BOMBEAMENTO D'ÁGUA

·         O desperdício de água, os vazamentos e a desregulagem do tempo de descarga das válvulas são responsáveis por uma parcela significativa do consumo de água, além de acarretarem maior consumo de energia elétrica para o conjunto motor bomba.

·         Tudo isto resulta em maior despesa com as contas de água. Significa também maior gasto de energia nas estações de tratamento e bombeamento de água do serviço público.

A seguir, apresentamos um exemplo dos reflexos dos vazamentos de água no consumo de energia elétrica:

·         Um prédio residencial de 10 andares, com quatro apartamentos por andar, consome mensalmente, em condições normais cerca de 1.800.000 litros (1.880m³).

·         O motor da bomba de recalque têm potência de 5cv e permite vazão máxima de 12.000 litros/hora (12m³/h).

·         Desejamos saber qual o consumo mensal de energia elétrica em condições normais (sem vazamento) e que acréscimo será ocasionado neste consumo por vazamento nas instalações hidráulicas.

Situações:

·         Condições normais, sem vazamento:

*   Calculando que o motor da bomba opere 150 horas/mês, com rendimento de 80%, o consumo de energia elétrica será de 690 kWh/mês.

·         Condições anormais, existência de vazamentos:

*   Se por falta de reparos, houver, por exemplo, no prédio uma torneira comgoteira e três vasos sanitários com vazamento de abertura de um milímetro, o desperdício mensal de água será de aproximadamente 187.800 litros e o de energia elétrica de 72 kWh/mês, ou seja, um aumento de consumo na ordem de 10%.

Veja agora o que os condôminos precisam saber para evitar o desperdício de água.

1) Não deixar o chuveiro aberto na hora de se ensaboar;
2) Não usar o vaso sanitário como "lixeira";
3) Não escovar os dentes ou fazer barba com a torneira aberta o tempo todo;
4) Fechar a torneira enquanto estiver ensaboando pratos, panelas e talheres;
5) Não usar mangueiras para "varrer" garagens ou calçadas;
6) Usar um balde em substituição à mangueira para lavagem de carros.



AQUECIMENTO CENTRAL DE ÁGUA

·         Verifique o estado do isolamento térmico do aquecedor e da canalização que conduz a água quente. Um bom isolamento reduz as perdas de calor e, portanto o consumo de energia.

·         Inspecione os controles de água quente para verificar se funcionam adequadamente e providenciar reparos ou substituição em caso de necessidade.

·         No verão, estude a possibilidade de reduzir a temperatura da água aquecida, até um nível adequado ao conforto pessoal.

·         A utilização de energia solar através de coletores solares, para o aquecimento de água, tem proporcionado significativa economia de energia. Solicite a uma firma especializada e com experiência comprovada um estudo para a substituição do aquecimento convencional de água por um sistema de aquecimento através de coletores solares.

 

 

Copyright © Brasil na Web -Criação de sites / Rede Adok - Desenvolvimento de Sistemas Web